COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 13 – EVANGELHO ETERNO – 20 a 27 de dezembro de 2014

No nascimento de Cristo, todas as testemunhas convidadas pelo céu a apresentarem-se à presença do Salvador, puderam perceber a retirada do ‘véu’ entre o mundo visível aos humanos e o mundo dos seres celestiais (Lc 2:9,10).
 O mundo material, sendo mundo do pecado, finito, se contrapõe ao mundo divino, espiritual, eterno. A percepção do Evangelho envolve o sentimento e a certeza de que mundos divinos e eternos estão acessíveis a todos os que aceitarem a Jesus Cristo como seu salvador.
O evangelho, a proclamação da boa nova do caminho da salvação, é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, e n’Ele está revelada a justiça de Deus. (Rm 1:16,17)
A justiça, fundamento de Deus, transparece para nós como Seu amor ao produzir a Salvação no evangelho de Cristo, benignidade e verdade para os homens:
“Justiça e juízo são a base do teu trono; benignidade e verdade vão adiante de ti.” Salmos 89:14
fabiodeps@gmail.com

anjo-rafael

VERSO ÁUREO: “Há muito que o Senhor me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí.” Jeremias 31:3

 INTRODUÇÃO (sábado 20 de dezembro) – O que é evangelho? O evangelho é a boa notícia de que Deus salva pecadores. O homem é por natureza pecador e separado de Deus, sem qualquer esperança de reparar essa situação. Entretanto, Deus providenciou o meio da redenção do homem na morte, sepultamento e ressurreição do Salvador, Jesus Cristo.
A palavra “evangelho” significa literalmente “boas novas”. Entretanto, para realmente compreender quão boas essas novas são, devemos primeiramente compreender a má notícia. Como resultado da queda do homem no Jardim do Éden, ver Gênesis 3:1-6, toda parte da mente do homem; sua vontade, emoções e carne tem sido corrompida pelo pecado. Por causa da natureza pecaminosa do homem, ele não pode buscar a Deus naturalmente, e não o faz. Ele não tem nenhum desejo de vir a Deus e, de fato, sua mente é hostil para com Ele. Ver Romanos 8:7. O evangelho mostra Deus que é misericordioso; Deus veio para pagar a pena pelos nossos pecados através do Seu sacrifício na cruz.

 Esta é a essência do evangelho que Paulo pregou aos Coríntios. Em I Coríntios 15:2-4, ele explica os três elementos do evangelho; a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo em nosso favor. A nossa velha natureza morreu com Cristo na cruz e foi enterrada com Ele. Fomos então ressuscitados com Ele para uma nova vida. Ver Romanos 6:4-8. Paulo nos diz para “nos apegar firmemente” a este verdadeiro evangelho, o único que salva. Acreditar em outro evangelho é crer em vão. Em Romanos 1:16-17, Paulo também declara que o verdadeiro evangelho é o “poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê”, o que quer dizer que a salvação não é alcançada pelos esforços do homem, mas pela graça de Deus através do dom da fé. Ver Efésios 2:8-9.

 Por causa do evangelho, através do poder de Deus, aqueles que crêem em Cristo não são apenas salvos da condenação da morte eterna. Quando aceitamos o evangelho, recebemos uma natureza completamente nova, ver I Coríntios 5:17, com um coração mudado e um novo desejo, vontade e atitudes que se manifestam em boas obras. Este é o fruto que o Espírito Santo produz em nós pelo Seu poder. As obras nunca são o meio de salvação, mas são a prova da salvação. Ver Efésios 2:10. Aqueles que são salvos pelo poder de Deus sempre mostrarão a evidência da salvação através de uma vida transformada e cheia de boas obras.

 A fé verdadeira, segundo Tiago, é aquela que implica em obediência. Ele diz: “Portanto, despojando-vos de toda impureza e acumulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar vossa alma. Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos.” Tiago 1:21 e 22. Há um eco entre estas palavras e as que Jesus proferiu no final do sermão do monte, que compara o ouvir sem praticar a palavra como uma atitude de construir uma casa sobre a areia. Ver  Mateus 7:24-27. Não praticar a Palavra de Deus é um ato de auto-engano, pois a própria pessoa será a única prejudicada. A fé verdadeira é a que demonstra a Palavra de Deus na prática. E, Tiago mostra exatamente isso. Ele, preocupado com a questão da língua, no sentido de “falar o que não se deve”, antecipa um pouco do que vai dizer adiante: “Se alguém supõe ser religioso, deixando de ser refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã”. Tiago 1:26. Tiago mostra o que entende ser a verdadeira religião: “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é essa: visitar os órfãos e as viúvas nas suas atribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo”. Tiago 1:27. Ele explica que a fé verdadeira é essencialmente prática. Não é uma aceitação intelectual, mas algo que precisa vir acompanhado de ação. Tiago também aceita, apoia e ensina a salvação unicamente pela fé e graça.

 

DOMINGO (21 de dezembro) O EVANGELHO NO VELHO TESTAMENTO – Este é o texto para hoje: “Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram.” Hebreus 4:2.

 Este verso é claro em mencionar sobre pessoas do Velho Testamento que acreditaram ou que deixaram de crer nas boas novas de salvação. O primeiro sermão sobre salvação foi pregado pelo próprio Deus, em Gênesis 3:15, quando disse: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. Assim que Adão e Eva pecaram, ficaram sabendo do grande conflito. Deus não havia explicado o grande conflito para eles. Não foi apenas o anúncio do conflito, foi também a promessa da certeza de que o descendente da mulher, o Filho da mulher e da igreja, Jesus Cristo, esmagaria a cabeça da serpente. E isso aconteceu quando Ele morreu para nos salvar.

 Depois vemos outros exemplos do evangelho no Antigo Testamento. Na experiência de Abraão ao subir o monte para sacrificar Isaque vemos dois milagres; o pai entregando o filho e o filho entregando a vida, mas, mais do que isso, vemos uma representação da expiação através de Cristo. Vários profetas falaram da vinda do Messias que morreria para salvar a humanidade. A lição de hoje trás outros exemplos do amor de Deus no Velho Testamento. Um deles é do próprio Jesus mencionado em Isaías 53: 1-11. Alguns estudiosos da bíblia mencionam que o livro de Isaías é o evangelho do Velho Testamento.

 Como pode alguém sofrer e ficar satisfeito? Isso é irracional. Mas é isso que Isaías fala a respeito daquele que seria nosso Justificador. O Servo que sofreu mas ficou satisfeito. Repare nas ações que o Servo, o Messias, iria sofrer: traspassado, esmagado, moído, castigado, ferido, oprimido, afligido e humilhado. Ver Isaías 53:5-7. Contudo, mesmo diante de todo este sofrimento, “como um Cordeiro foi levado para o matadouro, e como uma ovelha que diante de seus tosquiadores fica calada, ele não abriu sua boca”. Isaìas 53:7. Além de não abrir a boca o Servo ainda ficou satisfeito: “Ele verá o fruto do penoso trabalho de sua alma, e ficará satisfeito”. V. 11. A satisfação de Cristo não diz respeito ao sofrimento em si, a satisfação diz respeito ao fruto do penoso trabalho.

  Mas que fruto é esse? Você! Cristo olha para a sua vida hoje e fica satisfeito pela obra realizada em você mesmo tendo passado por tamanho sofrimento. Cristo foi moído, mas o que importa é que você foi justificado, por isso, ao Senhor agradou moê-lo: “Contudo, foi da vontade do Senhor esmagá-lo e fazê-lo sofrer, e, embora o Senhor tenha feito da vida dele uma oferta pela culpa, ele verá sua prole e prolongará seus dias, e a vontade do Senhor prosperará em sua mão”. Ver Isaías. 53:10. Você já parou para pensar na maravilha que é esta verdade?Cristo olha para você, para a fé que há em seu coração e para a obra da redenção e fica satisfeito. Você é motivo de satisfação para Deus e Seu Filho! Isso porque Deus mesmo o plantou como um carvalho; símbolo de força e durabilidade, de justiça para manifestação de Sua glória. Ver Isaías 61:3.

 O perdão de Deus é visto de forma maravilhosa no Velho Testamento. Veja estes textos: “E não ensinará mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o Senhor; porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados.” Jeremias 31:34

 “Se tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas temido.” Salmos 130:3-4

 “Tornará a apiedar-se de nós; sujeitará as nossas iniquidades, e tu lançarás todos os seus pecados nas profundezas do mar.” Miquéias 7:19

 

SEGUNDA-FEIRA (22 de dezembro) O EVANGELHO FEITO CARNE – O Evangelho de João é o canal de Deus para nos fazer compreender sobre a presença de Jesus, o Verbo divino, entre os homens. Jesus não é uma criatura de Deus. Uma coisa é avaliar, através da Bíblia, nas citações dos apóstolos, a magistral encarnação do Verbo entre nós; outra é poder, na mesma Bíblia, ouvir Jesus falando com Seus próprios lábios, identificando-Se como Aquele que sempre foi, sempre é, e sempre será o Filho glorificado que, mesmo tendo deixado a glória momentânea, providencialmente retornou com honras. De forma clara vemos isso na oração sacerdotal, quando Ele mesmo confirma sua existência eterna: “antes que houvesse mundo” João 17: 5. A origem de Jesus. Enquanto os três outros Evangelhos iniciam-se falando sobre o nascimento de Jesus, João, indo muito mais distante, revela sua existência antes da criação: “No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus… e o Verbo era Deus”, 1: 1. Refere-se a um tempo a que chama de princípio que, em consonância com Gên. 1: 1, também revela um tempo ocorrido antes da obra criadora de Deus. Ver Cl 1:17.

 Antes da encarnação de Jesus, Sua vinda era contemplada, crida e aceita pela fé. Isaías disse que o povo que andava em trevas, os perdidos, viu uma grande luz. Ver Isaías 9:2. O verso 14 relata uma das mais conhecidas citações em toda a Bíblia: “0 Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos sua glória, glória como do unigênito do Pai.” Além de outras grandes lições, esta passagem deixa claro o ponto básico deste estudo: a encarnação do Verbo. Recebeu forma humana e viveu entre os homens. Que fato extraordinário quando visto de nossa frágil perspectiva: um Deus tão gigante e glorioso se digna assumir de forma mais direta e envolvente possível a nossa conjuntura desgastada. E apresentou-se cheio de graça e de verdade entre os homens.

 Resta perguntar: Temos sido favorecidos com a encarnação de Cristo? Na época de Cristo a maioria dos Judeus, que também eram religiosos e tementes a Jeová, desprezaram o Messias. A lição de hoje traz o exemplo das parábolas; do filho pródigo, ver Lucas 15:11-32 e do fariseu e publicano, ver Lucas 18.9-17. Estas parábolas mostram Deus como o perdoador e santificador dos Seus filhos. E nós, muitas vezes, somos representados pelos personagens destas parábolas. Jesus feito carne está a nossa disposição para auxiliar-nos na nossa vida espiritual e sempre pronto para nos perdoar , conceder um recomeço e abençoar.

 

TERÇA-FEIRA (23 de dezembro) O EVANGELHO EM PAULO – A ênfase do estudo de hoje é que quanto mais próximo o crente está de Deus mais incapaz e pecador ele se sente. E essa é mesma a tônica do evangelho. Veja o texto de hoje: “Mas os seus sentidos foram endurecidos; porque até hoje o mesmo véu está por levantar na lição do velho testamento, o qual foi por Cristo abolido; e até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. Mas, quando se converterem ao Senhor, então o véu se tirará.” II Coríntios 3:14-16. Aqui Paulo está dizendo que o significado do Velho Concerto só se torna claro na vida do crente quando ele aceita Jesus como Salvador pessoal.

 Logo o evangelho de Paulo é tão simples que qualquer pessoa pode entender: Veja como Paulo descreve o evangelho: “Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória.” Colossenses 1:27.

 “Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.

 “Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé.” Romanos 1:16-17

 “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus, para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.” Romanos 3:24-26.

 O outro lado do evangelho de Paulo é que o pecador não tem mérito nenhum e depende totalmente da graça de Cristo.  Veja estes textos: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus.” Romanos 3:23

 “Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer.” Romanos 3:10

 Nada de bom que você faça vai tornar você justo e santo, pois as obras humanas são consideradas “trapos de imundícia”. Você não está autorizado por Deus para se gabar de nada que faça, nem sequer das suas orações. Jesus disse que quando oramos devemos entrar no quarto, e “em secreto” orar a Deus, e quando jejuarmos e darmos ofertas e dízimos, as pessoas não precisam ficar sabendo. A justiça é de Deus e não do ser humano. Ela se baseia não naquilo que fazemos mas naquilo que Jesus fez e faz por nós. Ir à igreja, participar na missão, viver o estilo de vida solicitado por Deus e ter uma vida devocional com Deus é uma obrigação cristã. Dizer: “eu sou” ou “eu faço” é uma atitude de orgulho e o orgulho é pecado. Cristo é que salva e somos apenas o alvo do seu amor. Você aceita esse amor?

 

QUARTA-FEIRA (24 de dezembro) O NOVO CONCERTO – A Bíblia menciona que o Novo Concerto é melhor do que o Velho. Se é melhor, teria Deus falhado no primeiro Concerto? Ver o texto de hoje em Hebreus 8:1-6

 No que consistia o Antigo Concerto ou o pacto Mosaico? A Aliança Mosaica consistia essencialmente na Lei dos Dez Mandamentos, na circuncisão e nas cerimônias que apontavam para Jesus. Quando o Messias chegou o Velho Concerto deu lugar para o Novo. Deus havia feito Alianças com Noé, ver Gênesis 9:8-16, com Abraão, ver Gênesis 12:1-3, com Israel, ver Êxodo 19:5, com Davi, ver Salmo 89:3, com Salomão, ver II Crônicas 7:11-22 e muitos outros que renovaram esta Aliança como Josué. Ver Josué 24:14-25, mas sempre o povo quebrava sua parte na Aliança com Deus. Estas antigas alianças eram sempre feitas de um lado por Deus que é eterno e perfeito, e do outro lado por homens que são falhos e passageiros. Então foi preciso fazer uma Nova Aliança, mas que não pudesse jamais ser quebrada. Isso só foi possível através do próprio Deus Se encarnando na pessoa de Jesus Cristo. Deste modo a Aliança feita em Jesus é totalmente perfeita, eterna e não pode ser quebrada, pois não foi feita por um homem que tenha falhas ou pecados, mas com o puro e imaculado sangue de Jesus. Ver Hebreus 9:14.

 O que é a Nova Aliança para os cristãos? Jeremias 31:31-32 responde: “Farei uma Nova Aliança… não será como a aliança que fiz com os seus antepassados quando os tomei pela mão para tirá-los do Egito”. Nesta nova aliança há a promessa da vida eterna à todos que crêem, ver  João 3:16, há a condição que é a fé, ver Rom. 3:21-28 e o sinal que é a Santa Ceia, ver I Cor. 11:25, Lucas 22:20 e Marcos 14:24. Toda a questão do Novo Concerto pode ser resumida em uma pergunta: Estou disposto para aceitar o sacrifício de Cristo ou estou falhando, como o povo do Velho Concerto falhou?

 

QUINTA-FEIRA (25 de dezembro) O CLIMAX DO EVANGELHO – O clímax do evangelho envolve dois aspectos muito importantes: A) Aceitar o evangelho. Aceitar envolve eu ser transformado pelo poder do Espírito Santo atuando em mim diariamente. B) Anunciar o evangelho. A pregação do evangelho deve fazer parte integrante da vida do cristão. Tiago dá ênfase nas boas obras do cristão que envolve; a pregação do evangelho através dos vários métodos apresentados na bíblia. Paulo admoestou Timóteo para pregar a palavra de forma destemida: “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.” II Timóteo 4:2. Este conselho que Paulo deu ao seu fiel companheiro Timóteo, é hoje aplicado à todos nós que aceitamos ao Senhor Jesus como nosso único Pastor e Salvador enviado por Deus Pai.

 Veja a importância deste texto: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” Marcos 16.15. Esta foi a principal ordem dada por Jesus à Igreja. Pregar o evangelho, ou seja, anunciar as boas novas da salvação a todas as pessoas do mundo, em todas as épocas, até que Ele venha. A ordem dada foi bem clara e explícita, pois a palavra evangelho, oriunda do grego, significa literalmente mensagem, anúncio de coisas boas. O evangelho é o único bisturi espiritual que pode extirpar o câncer do pecado. Não se deve portanto, por uma alegada compaixão, esconder das pessoas que todos são cancerosos espirituais aos olhos de Deus, que por fim lhes conduzirá à morte espiritual eterna, caso não sejam operados pelo bisturi do evangelho e tratados com a quimioterapia do céu.

 Ainda que numa comparação grosseira, imaginemos alguém querendo fazer vistas grossas para uma enfermidade física, por temor de que seja um câncer. E nisto poderá ser ajudado por outras pessoas que pensem estarem lhe fazendo um bem escondendo o diagnóstico da citada doença. Esta pessoa brevemente virá a falecer. Agora, caso encarasse de frente a sua realidade e se submetesse ao devido tratamento, é bem certo que teria grandes chances de vencer a morte. O mesmo se dá com o tratamento do evangelho. Se o homem, tentar ser compassivo para consigo mesmo, tentando ignorar o câncer do pecado, não poderá ser tratado pela cura que está disponível para ele somente no evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo.

 A igreja de Deus foi chamada para pregar a verdade completa e não adulterada. O tema do nosso testemunho é Jesus Cristo. Paulo definiu o evangelho como a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus Cristo. Ver I Coríntios 15:1-4. Se não estivermos explicando o sacrifício de Cristo, então não estamos realmente partilhando o evangelho. Veja também I Coríntios 2:2 e Romanos 10:9-10. Uma parte importante deste tema é o fato de que Jesus Cristo é o único caminho para a salvação, e não apenas um de muitos caminhos. “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” João 14:6.

 O poder do nosso testemunho vem do Espírito Santo. É o Espírito que transforma a vida. Veja Tito 3:5, e uma vida transformada é mostrada para todos. À medida que testemunhamos, devemos passar muito tempo em oração, apropriando-nos do poder do Espírito Santo para que sejamos capazes de deixar nossa luz brilhar de tal forma que os outros vão reconhecer o poder de Deus em nós.

 A validade do nosso testemunho será mostrada na forma como vivemos nossa vida. Em Filipenses 2:15 encontramos este objetivo para nós: “para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo.” A efetiva testemunha cristã viverá sua vida de forma irrepreensível no poder do Espírito Santo, cujo fruto exibimos quando permanecemos em Cristo. Ver João 15:1-8, Gálatas 5:22-23. Amém?

 

SEXTA-FEIRA (26 de dezembro) LEITURA ADICIONAL DA LIÇÃO – A palavra evangelho significa “boas novas”. Tanto a raiz grega (evaggélion) quanto a raiz latina (evangeliu) traduzem a mesma coisa. O evangelho eterno, as boas novas da salvação para um mundo que estava condenado a destruição e a morte. Jesus, quando ainda aqui na terra, anunciou a Sua morte e ressurreição aos Seus discípulos, antecipadamente. Anunciou lhes, também, que voltaria a este mundo. E os Seus discípulos perplexos perguntaram -lhe: “Dize-nos quando serão estas coisas, e que sinal haverá da Tua vinda, e do fim do mundo?” Mateus 24:3. Então Jesus lhes respondeu, relatando lhes todos os sinais que antecederiam a Sua vinda, a maioria dos quais hoje já cumpridos. O último destes sinais, Ele o anunciou categoricamente: “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim”. Mateus 24:14.

 Em harmonia com esta afirmação de Jesus, o apóstolo João, quando recebeu as revelações do Apocalipse, referindo-se aos últimos acontecimentos da história da humanidade, escreveu: “E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para proclamá-lo aos que habitam sobre a Terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo”. Apocalipse 14:6. O anjo referido pelo apóstolo é um anjo simbólico, que representa aqueles que darão esta última mensagem ao mundo, pois o significado da palavra anjo é, na sua origem, mensageiro.

 Qual é a grande comissão que Cristo deixou para a igreja? Em Mateus 28:19-20 descreve o que passou a ser chamado de “A Grande Comissão”: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”. Esse comando praticamente resume o que Jesus esperava que os Seus seguidores fizessem em Sua ausência. É interessante notar que no grego original, os únicos comandos específicos em Mateus 28:19-20 são: “ide” e “fazei discípulos”. A grande comissão nos instrui a fazer discípulos enquanto viajamos pelo mundo e enquanto realizamos nossas atividades diárias. Como devemos fazer discípulos? Ao batizá-los e ensiná-los tudo que Jesus pediu. “Ide” e “fazei discípulos” são os comandos da grande comissão. “batizando” e “ensinando” são a forma que devemos usar para executar o aspecto de “fazer discípulos” da grande comissão.

 Veja este texto: “Deve-se fazer um grande esforço para manter este assunto perante o povo. O solene fato de que o dia do Senhor virá repentina e inesperadamente deve ser mantido não só perante as pessoas do mundo, mas também diante de nossas próprias igrejas. A terrível advertência da profecia é dirigida a toda alma. Ninguém julgue estar isento do perigo de ser apanhado de surpresa. Não permitais que a interpretação profética de pessoa alguma arrebate a convicção do conhecimento de ocorrências que revelam que este grande acontecimento está bem próximo.” Fundamentos da Educação Cristã, 335 e 336.

Anúncios

, , , , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ” Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.” Apocalipse 1:3

  • “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom.” 1 Tessalonicenses 5:20-21.

  • "Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
    E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento;
    E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne."
    Judas 1:21-23

%d blogueiros gostam disto: