COMENTÁRIOS À LIÇÃO 6 – CRESCIMENTO EM CRISTO – (02 A 09 de agosto de 2014)

A história de Nicodemos é uma das mais fortes explicações intelectuais dos princípios básicos do cristianismo . A compreensão dos aspectos espirituais da salvação, imprescindíveis para a correta rota do caminho, são reveladas pelo criador.  Cristo, nesta história, dá uma série de luzes sobre a verdade espiritual, o que Ele espera que Nicodemos entenda como um “mestre de Israel” (Jo 3:10). Algumas delas são: que é preciso nascer de novo para entrar no Reino de Deus” (Jo 3:3)Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que desceu do céu, isto é, o Filho do Homem que está no céus “(Jo 3:13), e que “ Deus amou tanto o mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo através dele pudesse ser salvo (Jo 3:16-17).
O esclarecimento da verdade é visto como uma parte importante do avanço da salvação aqui. A passagem crítica é Jo 3:10-12 onde Jesus diz em resposta a questionamento de Nicodemos 
Jesus respondeu, e disse-lhe: Tu és mestre de Israel, e não sabes isto? Na verdade, na verdade te digo que nós dizemos o que sabemos, e testificamos o que vimos; e não aceitais o nosso testemunho. Se vos falei de coisas terrestres, e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?
” .  O que Jesus está dizendo aqui é que devemos vir a compreender os princípios básicos antes que as idéias espirituais mais complexas possam ser mostradas a nós. Com efeito, Jesus está afirmando que as perguntas de Nicodemos aqui devem ser respondidas antes que ele possa vir a ter uma fé verdadeira.  Devemos nós também compreender perfeitamente estes princípios. (fabiodeps@gmail.com)

Crijn Hendricksz. Volmarijn (1601–1645) jesus_falando_com_nicodemus

VERSO ÁUREO: “Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” João 3:3.

 

INTRODUÇÃO: (sábado 2 de agosto) – Não basta levar o título de “cristão” para ser salvo. Não basta nascer em “lar cristão” para julgar-se salvo. Para ser salvo tem mesmo que ser cristão de verdade. Nicodemos, por ser descendente de Abraão e por pertencer ao Sinédrio, achava que sua salvação já estava garantida. Ele achava que não necessitava de ser transformado por Cristo.

Pacientemente, Jesus mostrou-lhe que o nascimento espiritual, gerado pelo Espírito Santo, também chamado de conversão, era uma experiência que Nicodemos também necessitava experimentar.

O tema da lição desta semana trata da vitória que cada cristão pode obter ao estar em comunhão com Jesus Cristo. As potestades do mal são mais poderosas do que nós, mas Cristo é mais poderoso do que todo o exército do diabo. Ao estarmos agarrados nas mãos de Cristo, somos vencedores. Ver João 15:1-15

Qual é o propósito da vida cristã? A cruz não é apenas o ponto inicial de nossa vida cristã; ela é a sua fonte. Para descobrirmos o propósito de nossa vida precisamos olhar para cruz de Cristo e não para as palavras filosóficas de homens. Alguns têm fracassado porque não depositam a confiança na Palavra de Cristo. Este é o propósito de Deus para a nossa vida. Em Deus, a nossa vida encontra o seu verdadeiro propósito e sentido. Veja este texto: “Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus…”. I Cor 6:20

Veja também este verso: “Mas o que para mim era lucro, passei a considerar como perda, por causa de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por quem perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar a Cristo.” Filip. 3:7 e 8.

No crescimento espiritual, também somos desafiados a sair de onde estamos para um estágio melhor e superior. O apóstolo Pedro, falando desse esforço, diz: “Por isso mesmo, empenhem-se para acrescentar à sua fé a virtude, à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor.” II Ped. 1:5-7. No início dessa epístola, ele apresenta uma escada de crescimento cristão, e no fim da carta diz: “Cresçam, porém, na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” II Ped. 3:18.

Sem ferir a seriedade do texto, poderíamos chamá-lo de “suplemento espiritual.” Por isso, o apóstolo recomenda que sejam acrescentados à fé, e apresenta sete suplementos. O primeiro degrau no crescimento espiritual é a virtude, que é a excelência moral. O segundo é o conhecimento, especialmente a educação espiritual. Segue-se o domínio próprio ou autocontrole, ou seja, a capacidade de conter e dominar nossos desejos. Depois do domínio próprio, vem a perseverança, ou seja, aprender a continuar com Jesus com paciência. A piedade, o amor fraternal e o amor desinteressado são os últimos. Devemos crescer espiritualmente em cada um desses sete degraus. Você está disposto a subir os degraus desta escada espiritual?

 

DOMINGO (3 de agosto) NASCER DE NOVO – O que significa ser um cristão “renascido”? A passagem clássica da Bíblia que responde a essa pergunta é João 3:1-21, que é o tema da lição de hoje. O Senhor Jesus Cristo está falando com Nicodemos, um fariseu proeminente e membro do Sinédrio, um chefe dos Judeus. Nicodemos foi a Jesus de noite. Nicodemos tinha perguntas a fazer à Jesus. Quando Jesus falou com Nicodemos, Ele disse: “…Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” Nicodemos disse a Ele: “Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?” Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te admires de eu te dizer: importa-vos nascer de novo.” João 3:3-7.

A palavra “novo nascimento” significa literalmente “nascido do alto”. Nicodemos tinha uma necessidade real. Ele necessitava de uma mudança em seu coração, ele necessitava de uma transformação espiritual. O novo nascimento, o renascer, é um ato de Deus através do qual a vida eterna é dada àquele que acredita. Veja estes textos: II Coríntios 5:17; Tito 3:5; I Pedro 1:3; I João 2:29; 3:9; 4:7; 5:1-4, 18. Em João 1:12,13 indica que “renascidos” também carrega a ideia de “tornarem-se filhos de Deus” através da fé no nome de Jesus Cristo. Logicamente, vem a pergunta: Por que uma pessoa precisa nascer de novo? O Apóstolo Paulo diz em Efésios 2:1: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados…” Paulo em Romanos 3:23, escreveu: “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus.” Então, uma pessoa precisa renascer para ter seus pecados perdoados, um relacionamento vivo com Deus e o direito à vida eterna.

Como uma pessoa pode nascer de novo? Efésios 2:8,9 diz: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” Quando alguém é salvo, ele renasce, é renovado espiritualmente, e é agora um filho de Deus pelo direito de um novo nascimento. Acreditar em Jesus Cristo, Aquele que pagou a pena do pecado quando morreu na cruz, é o que significa ser “renascido” espiritualmente. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é…” II Coríntios 5:17.

Você precisa nascer de novo? Sugiro uma oração que deve ser feita por todos os filhos de Deus. Se você aceita Jesus Cristo como seu Salvador e aceita nascer de novo, aqui está um modelo de oração que deve fazer: Lembre-se que fazer esta oração ou qualquer outra não irá salvar você. Apenas confiando em Cristo você pode ser salvo do seu pecado. Esta oração é simplesmente uma forma de expressar a Deus a sua fé nele, e agradecer-lhe por lhe dar a salvação: “Deus, eu sei que pequei contra Ti e mereço punição. Mas Jesus Cristo tomou sobre Si a punição que eu mereço para que através da fé nele eu pudesse ser perdoado. Eu me volto contra o meu pecado e ponho a minha fé em Ti para salvação. Obrigado por Tua graça, perdão maravilhosos e dons da vida eterna! Amém!”

“Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” João 1:12-13.

 

SEGUNDA-FEIRA (4 de julho) NOVA VIDA EM CRISTOOs textos de hoje mostram o que acontece com a pessoa “renascida” espiritualmente: “Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo nosso Salvador; para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.” Tito 3:5-7

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” II Coríntios 5:17

“Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão, nem a incircuncisão tem virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura.” Gálatas 6:15

A primeira vez que uma pessoa nasce, ela herda a natureza pecaminosa que resulta da desobediência de Adão no Jardim do Éden. Ninguém precisa ensinar uma criança a pecar. Ela, naturalmente, segue seus desejos de fazer o que é errado, os quais a levam a cometer pecados como mentir, roubar e odiar. Ao invés de ser um filho de Deus, a criança é, na verdade, um filho da desobediência e da ira. Veja este texto: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, Satanás, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais.” Efésios 2:1-3.

Quando a pessoa recebe Jesus, ela passa a ter uma nova vida espiritual: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus.” João 1:12. Esta passagem explica claramente como tornar-se um filho de Deus. Precisamos receber Jesus através da fé nele. Receber Jesus envolve crer nele, arrepender e confessar os pecados e ser batizado. “Quem crer e for batizado será salvo”.

O que precisamos acreditar e aceitar sobre Jesus? 1) Primeiro, precisamos reconhecer que Jesus é o eterno filho de Deus e que tornou-Se homem. Nascido do poder do Espírito Santo, pela virgem Maria, Jesus não herdou a natureza pecaminosa de Adão. Então, Ele é chamado de segundo Adão. Ver I Coríntios 15:22. Enquanto que a desobediência de Adão trouxe a maldição do pecado ao mundo, a vida perfeita de Cristo cobriu as nossas transgressões. Nossa resposta deve ser de arrepender-nos, voltar-nos contra o pecado, confiando em Sua vida perfeita para nos purificar. 2) Segundo, precisamos ter fé em Jesus como Salvador. O plano de Deus foi de sacrificar o Seu Filho perfeito para pagar pela punição que merecemos pelo nosso pecado: a morte. A morte de Cristo liberta todos aqueles que O recebem da penalidade e do poder do pecado. 3) Finalmente, precisamos seguir a Jesus como Senhor. Depois de fazer de Cristo vitorioso sobre o pecado e a morte, Deus deu-lhe toda autoridade. Ver Efésios 1:20-23. Jesus guia todos que O recebem e vai julgar a todos que O rejeitam e desobedecem. Ver Atos 10:42 e II Tesl. 1:8

A recompensa de ser filho de Deus é maravilhosa. Como filhos de Deus, fazemos parte de Sua família, a igreja, podemos nos aproximar de Deus através da oração e temos como promessa um lar eterno. Ver Efésios 2:19; I Pedro 1:3-6; Romanos 8:15. Porque a graça de Deus nos leva ao arrependimento e fé no Salvador e Senhor, somos nascidos de novo para uma nova vida como filhos de Deus. somente aqueles que recebem a Jesus, não apenas com um conhecimento intelectual sobre Deus, mas realmente dependendo dele, de coração, para a salvação, submetendo-se a Ele como Mestre e amando-O como o tesouro supremo, tornam-se filhos de Deus, nascidos de novo.

 

TERÇA-FEIRA (5 de agosto) PERMANECENDO EM CRISTOComo podemos permanecer em Cristo? É vencendo o pecado na nossa vida cristã. Se Cristo não pecou e é santo, devemos também viver em santidade, e isso demanda algumas decisões de nossa parte. Uma delas é fazer uma entrega total a Jesus, abandonando os pecados “que tão de perto nos assediam”. Ver Hebreus 12:1-3. A Bíblia apresenta vários recursos diferentes para nos ajudar em nossos esforços para vencer o pecado. Com a ajuda de Deus, e ao seguir os princípios da Sua Palavra, podemos progressivamente vencer o pecado e nos tornar mais e mais como Cristo. O primeiro recurso que a Bíblia menciona, em nosso esforço para vencer o pecado, é a presença do Espírito Santo vivendo em nós. Deus nos deu o Espírito Santo para que possamos ser vitoriosos na vida cristã. Deus contrasta os feitos da carne com o fruto do Espírito em Gálatas 5:16-25. Nessa passagem, somos chamados à andar no Espírito. Todos os crentes já possuem o Espírito Santo, mas esta passagem nos diz que precisamos andar no Espírito, cedendo ao Seu controle. Isto significa escolher, consistentemente, seguir a direção do Espírito Santo em nossas vidas ao invés de seguir a inclinação da carne.

A diferença que o Espírito Santo pode fazer atuando em nós,  é demonstrada na vida de Pedro que, antes de ser cheio do Espírito Santo, negou Jesus três vezes e isso depois de dizer que seguiria a Cristo até a morte. Depois de ser cheio do Espírito, ele falou aberta e fortemente com os judeus no Pentecostes. Andamos no Espírito quando não apagamos a Sua direção, como mencionado em I Tessalonicenses 5:19 e ao invés disso, buscamos estar cheios do Espírito. Ver Efésios 5:18-21.

Como podemos ficar cheios do Espírito Santo? A Bíblia diz que Deus nos deu a Sua Palavra para nos equipar para toda boa obra. Ver II Timóteo 3:16-17. Ela nos ensina como viver e em que acreditar, revela quando escolhemos caminhos errados, ajuda-nos a voltar ao caminho certo e a permanecer neste caminho. Hebreus 4:12 diz-nos que a Palavra de Deus é viva e eficaz, capaz de penetrar em nossos corações para erradicar e superar os pecados mais profundos do coração e da atitude. O salmista fala sobre o poder transformador da Palavra de Deus no Salmo 119. Josué disse que a chave do sucesso para vencer seus inimigos era não se esquecer deste recurso, mas meditar nela dia e noite e obedecê-la. Ele fez isto, mesmo quando o que Deus ordenou não fazia sentido, como uma estratégia militar, e esta foi a chave para a sua vitória em suas batalhas pela terra prometida.

A Bíblia é um recurso que muitas vezes não levamos a sério. Damos prova disso ao levarmos nossas bíblias para a igreja ou ao lermos um devocional diário ou um capítulo por dia, mas falhamos em memorizá-la, meditar nela ou em aplicá-la em nossas vidas; falhamos em confessar os pecados que ela revela ou em louvar a Deus pelos Seus dons. Quando se trata da Bíblia, algumas vezes somos ou anoréticos ou bulímicos. Ou ingerimos apenas o suficiente da Palavra de Deus para manter-nos vivos espiritualmente, mas nunca ingerindo o suficiente para sermos cristãos saudáveis e prósperos, ou nos alimentamos frequentemente, sem nunca, suficientemente, meditarmos nela para conseguir a devida nutrição espiritual.

É importante, se você ainda não tiver o hábito de, diariamente, estudar e memorizar a Palavra de Deus, que você comece a fazê-lo. Alguns acham que é útil começar um diário. Crie o hábito de não deixar a Palavra até que tenha escrito algo que aprendeu sobre a bíblia. Alguns registram orações para Deus, pedindo-Lhe que os ajude a mudar nas áreas sobre as quais Ele falou aos seus corações. A Bíblia é a ferramenta que o Espírito usa em nossas vidas. Ver Efésios 6:17, uma parte essencial e importante da armadura que Deus nos dá para lutarmos em nossas batalhas espirituais e experimentarmos o crescimento em Cristo. Efésios 6:12-18.

Leia também os textos sugeridos na lição de hoje para o nosso crescimento em Cristo: João 15: 4-10 e João 6:63

 

QUARTA-FEIRA (6 de agosto) – A ORAÇÃO – Um outro recurso fundamental para continuarmos crescendo em Cristo é a oração. Em nossa batalha contra o pecado é a oração que nos dá forças e motiva-nos para prosseguirmos. Novamente, é um recurso que muitos cristãos frequentemente dão valor da boca para fora, mas que raramente usam. Temos reuniões de oração, momentos de oração, mas não usamos a oração da mesma forma que a igreja primitiva usava. Ver Atos 3:1; 4:31; 6:4 e 13:1-3. Paulo repetidamente menciona como ele orava por aqueles a quem ministrava. Deus nos deu promessas maravilhosas a respeito da oração. Ver Mateus 7:7-11, Lucas 18:1-8, João 6:23-27 e I João 5:14-15, e Paulo inclui a oração em sua passagem sobre como se preparar para a batalha espiritual. Efésios 6:18.

Quão importante é a oração para vencer o pecado em nossas vidas? Temos as palavras de Cristo ao Pedro no Jardim do Getsêmani, pouco antes da sua negação. Enquanto Jesus ora, Pedro está dormindo. Jesus o acorda e diz: “Vigiem e orem para que não caiam em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca.” Mateus 26:41. Nós, como Pedro, queremos fazer o que é certo, mas não encontramos forças.

Precisamos seguir o alerta de Deus para continuarmos buscando, batendo, pedindo; e Ele nos dará a força de que precisamos. Ver Mateus 7:7. A oração não é uma fórmula mágica. A oração é simplesmente reconhecer nossas próprias limitações e o poder inesgotável de Deus e voltar-nos à Ele para encontrar a força de fazer o que Ele quer que façamos, não o que queremos fazer. Ver I João 5:14-15.

Um outro recurso em nossa guerra para vencer o pecado é a igreja, a comunhão com outros crentes. Quando Jesus enviou Seus discípulos, Ele os enviou de dois em dois. Ver Mateus 10:1. Os missionários em Atos não saíram um de cada vez, mas em grupos de dois ou mais. Jesus ordena que não deixemos de congregar-nos juntos, mas que usemos esse tempo para encorajar uns aos outros em amor e boas obras.

Ver Hebreus 10:24 e 25. Ele nos diz para confessarmos os nossos pecados uns aos outros. Ver Tiago 5:16. Na literatura do Antigo Testamento, aprendemos que como o ferro afia o ferro, um homem afia o outro. Ver Provérbios 27:17. Há força em grupos. Ver Eclesiastes 4:11-12. Deixar de congregar e de participar das reuniões de oração é demonstrar viver sem o poder do Espírito Santo na vida.

Ter uma outra pessoa que possa falar com você, orar com você, encorajá-lo e até mesmo repreendê-lo, é de grande valor. A tentação é comum a todos nós. Ver I Coríntios 10:13. Ter um parceiro ou um grupo de oração, com certeza, nos dá a dose final de encorajamento e motivação de que precisamos para superar até mesmo os mais teimosos dos pecados, pois é Deus que nos concede a vitória! Às vezes a vitória sobre o pecado vem rapidamente, outras vezes, a vitória vem mais devagar. Entretanto, Deus prometeu que ao fazermos uso de Seus recursos, Ele vai, progressivamente, operar a transformação em nossas vidas. Podemos perseverar em nossos esforços para vencer o pecado porque sabemos que Ele é fiel em cumprir as Suas promessas.

A lição de hoje traz o exemplo da oração do “Pai Nosso” relatada em Mateus 6: 9-13. Esta oração ensina-nos que somos irmãos, filhos do mesmo Pai e que temos Jesus, o mediador que responde as nossas orações, perdoa os nossos pecados e aceita-nos no Seu reino de amor. Amém? Você tem uma vida de oração viva e eficaz?

 

QUINTA-FEIRA (7 de agosto) MORRER DIARIAMENTE PARA O EUEste é o texto para hoje: “E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Porque, qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas qualquer que, por amor de mim, perder a sua vida, a salvará.” Lucas 9:23-24.

O que significam estas palavras de Jesus? A Bíblia fala muito sobre o sofrimento por amor de Cristo. Na época em que o Novo Testamento foi escrito, os seguidores de Jesus eram, muitas vezes, banidos por suas próprias famílias e comunidades. Algumas das piores perseguições vieram dos líderes religiosos. Ver Atos 4:1-3. Jesus disse aos Seus seguidores: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus.” Mateus 5:10. Ele lembrou a Seus discípulos: “Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim.” João 15:18.

Em II Timóteo 3:12 encontramos: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.” Como nos tempos bíblicos, muitos cristãos hoje descobrem que fazer uma declaração pública de fé em Cristo pode resultar em prisão, espancamento, tortura ou morte. Ver Hebreus 11:32-38, II Coríntios 12:10, Filipenses 3:8 e Atos 5:40.

Jesus disse claramente o que significa segui-lo: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará. Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder-se ou a causar dano a si mesmo?” Lucas 9:23-25. Nosso entendimento moderno da frase “tome a sua cruz e siga-me” é muitas vezes inadequado. Nos dias de Jesus, a cruz sempre simbolizava a morte. Quando um homem carregava uma cruz, ele já havia sido condenado a morrer nela. Jesus disse que, para segui-Lo, é preciso estar disposto a morrer. Não vamos todos morrer mártires. Não seremos todos presos, espancados ou torturados por nossa fé.

Então, a que tipo de morte Jesus referiu-Se? Paulo explica em Gálatas 2:20: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” Seguir a Cristo significa que morremos para a nossa própria maneira de fazer as coisas. Consideramos a nossa vontade, os nossos direitos, nossas paixões e nossas metas como sendo crucificados na cruz com Ele. O nosso direito de dirigir as nossas próprias vidas está morto para nós. Ver Filipenses 3:7-8. A morte envolve sofrimento. A carne não quer morrer. Morrer para si mesmo é doloroso e vai contra a nossa inclinação natural de buscar o nosso próprio prazer. Entretanto, não podemos seguir Cristo e a carne ao mesmo tempo. Ver Lucas 16:13, Mateus 6:2 e Romanos 8:8. Jesus disse: “Ninguém que, tendo posto a mão no arado, olha para trás é apto para o reino de Deus” Lucas 9:62. Paulo sofreu mais do que a maioria por causa de Jesus. Ele disse isso aos cristãos de Filipos: “Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele.” Filipenses 1:29. A palavra concedida aqui significa “mostrado favor, dado livremente como um presente.” Paulo não apresenta sofrimento como uma maldição, mas como um benefício.

O verdadeiro cristão coloca as suas prioridades no reino de Deus. Em Gálatas 1:10 diz: “Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo.” Ao aderir de perto os ensinamentos da Bíblia, estamos nos posicionando para sofrer rejeição, zombaria, solidão e até traição. Muitas vezes, a mais cruel perseguição vem daqueles que se consideram espirituais, mas definiram a Deus de acordo com suas próprias ideias. Se optarmos por tomar uma posição em favor da justiça e verdade bíblica, podemos garantir que vamos ser mal interpretados, ridicularizados ou pior. O sofrimento, de alguma forma, sempre vai ser o resultado de ser um verdadeiro seguidor de Cristo. Jesus disse que o caminho que leva à vida eterna é difícil. Ver Mateus 7:14. Nossa dificuldade é também uma maneira de nos identificarmos com o Seu sofrimento, de uma maneira pequena.

Jesus disse que se O negarmos diante dos homens, Ele nos negará diante do Pai no céu. Ver Mateus 10:33 e Lucas 12:9. Há muitas maneiras sutis de negar Cristo. Se nossas ações, palavras, estilo de vida ou opções de entretenimento não refletirem a Sua vontade, estamos negando a Cristo. Se dissermos que o conhecemos, mas vivemos como se não o conhecêssemos, estamos negando a Cristo. Ver João 3:6-10. Muitas pessoas escolhem essas formas de negar a Cristo porque não querem sofrer por Ele. Muitas vezes o nosso maior sofrimento vem de dentro de nós ao batalharmos pelo controle de um coração que precisa morrer para a sua própria vontade e render-se ao senhorio de Cristo. Ver Romanos 7:15-25. Já morremos para as coisas e pecados da velha vida ou ainda alimentamos pecados de que apreciamos

 

 

SEXTA-FEIRA (8 de agosto) LEITURA COMPLEMENTAR DA LIÇÃO – O texto abaixo traduz bem o assunto da lição desta semana; a necessidade que todos nós temos de renascer para o reino de Deus. Comentando sobre o novo nascimento que Jesus sugeriu à Nicodemos, assim escreve a irmã Ellen White:

“Se bem que o vento seja invisível, seus efeitos são vistos e sentidos. Assim a obra do Espírito sobre a pessoa revelar-se-á em cada ato daquele que lhe experimentou o poder salvador. Quando o Espírito de Deus toma posse do coração, transforma a vida. Os pensamentos pecaminosos são afastados, renunciadas as más ações; o amor, a humildade, a paz tomam o lugar da ira, da inveja e da contenda. A alegria substitui a tristeza, e o semblante reflete a luz do Céu. Ninguém vê a mão que suspende o fardo, nem a luz que desce das cortes celestiais. A bênção vem quando, pela fé, a pessoa se entrega a Deus. Então, aquele poder que olho algum pode discernir, cria um novo ser à imagem de Deus. É impossível à mente finita compreender a obra da redenção. Seu mistério excede ao conhecimento humano; todavia, aquele que passa da morte para a vida percebe que é uma divina realidade. O começo da redenção, podemos conhecê-lo aqui, mediante uma experiência pessoal. Seus resultados estendem-se através da eternidade. Enquanto Jesus falava, alguns raios da verdade penetraram no espírito do príncipe. A enternecedora, subjugante influência do Espírito Santo impressionou-lhe o coração. Todavia, não compreendeu plenamente as palavras do Salvador. Não ficou tão impressionado com a necessidade do novo nascimento, como acerca da maneira por que esse se havia de realizar. Admirado, disse: “Como pode ser isso?” “Tu és mestre de Israel, e não sabes isto?” Perguntou Jesus. Indubitavelmente uma pessoa a quem era confiada a instrução religiosa do povo, não devia ser ignorante de verdades de tanta importância. Suas palavras encerravam a lição de que, em lugar de sentir-se irritado com as positivas palavras da verdade, Nicodemos deveria ter de si mesmo opinião muito humilde, em vista de sua ignorância espiritual. Não obstante, Cristo falava com tão solene dignidade, e tanto o olhar como a inflexão da voz exprimiam tão sincero amor, que Nicodemos não se ofendeu ao compreender sua humilhante condição.” Desejado de Todas as Nações, 112

Publicada por Luis Fonseca
em temasbblicos.blogspot.com.br
fabiodeps@gmail.com

Anúncios

, , , , , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ” Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.” Apocalipse 1:3

  • “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom.” 1 Tessalonicenses 5:20-21.

  • "Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
    E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento;
    E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne."
    Judas 1:21-23

%d blogueiros gostam disto: