COMENTÁRIOS À LIÇÃO 2 (2º TRIM.) – CRISTO E A LEI DE MOISÉS (05 A 12/04/2014)

As Leis foram dadas a Moisés para os filhos de Israel em um pacto sagrado e especial no Monte Sinai, assim como registrado no livro do Êxodo. Nesta aliança, Deus escreveu as Suas leis em tábuas de pedra e Israel foi ordenado a ser obediente em tudo o que lhes tinha sido revelado. Entretanto, esta aliança maravilhosa era apenas um retrato de um pacto novo e melhor que Deus um dia daria ao Seu povo, tanto os judeus quanto os gentios.
Esta nova aliança é registrada em Jeremias 31: “:31-’Estão chegando os dias’, declara o Senhor, ‘quando farei uma nova aliança com a comunidade de Israel e com a comunidade de Judá’.

Moisés - José de Ribera (1591–1652)

VERSO PARA MEMORIZAR: “Se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em Mim; porquanto ele escreveu a Meu respeito” (Jo 5:46).

INTRODUÇÃO (sábado 5 de abril) – Uma coisa está ligada com a outra. O Novo Testamento está ligado ao Velho Testamento e o Velho aponta para o Novo. Não há como separar um do outro. É como o próprio Jesus disse: “Se, de fato, crêsseis em Moisés, também creríeis em Mim.”. A questão toda aqui é sabermos separar a lei dos dez mandamentos; que é a lei moral e eterna, das leis que eram apenas para a época de Moisés. Por exemplo. Na época de Moisés o homem podia divorciar-se por qualquer motivo banal, como por exemplo; se a mulher não soubesse cozinhar um prato que o marido pedisse. Jesus moralizou este ponto dizendo: “Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.” Mateus 19:8-9

Muitas pessoas veem o Jesus do Novo Testamento como bondoso e perdoador, enquanto consideram o Deus do Antigo Testamento como um severo policial com uma lista de leis que Ele tenta impor vigorosamente. Esquecemo-nos de que toda a Divindade – a Trindade – criou o sistema de leis do Antigo Testamento. Jesus exemplificou uma vida fundamentada nessa lei. Somente pelo poder do Espírito Santo os primeiros cristãos seguiram o exemplo de Jesus em aplicar a lei de Deus à sua vida cotidiana.

Ellen G. White enfatizou o lugar central da lei de Deus: “O engano de Satanás é que a morte de Cristo introduziu a graça para tomar o lugar da lei. A morte de Jesus de maneira alguma modificou, anulou ou diminuiu a lei dos Dez Mandamentos. Essa preciosa graça oferecida aos homens por meio do sangue do Salvador estabelece a lei de Deus. Desde a queda do homem, o governo moral de Deus e Sua graça são inseparáveis. Andam de mãos dadas ao longo de todas as dispensações. ‘A misericórdia e a verdade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram'” (Sl 85:10, RC; Fé e Obras, p. 30).

DOMINGO (6 de abril) CIRCUNCISÃO E DEDICAÇÃO – É bom lembrar que a circuncisão acontecia no oitavo dia após o nascimento e a apresentação era após o 40º dia do nascimento. A circuncisão consiste na remoção do prepúcio, prega cutânea que recobre a glande do pênis. Essa remoção é praticada há mais de 4 mil anos. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 30% dos homens no mundo são circuncidados (algo em torno de 665 milhões de homens), 3/4 a maioria por motivos religiosos, uma vez que 68% deles são muçulmanos. Depois que Jesus morreu na cruz essa prática deixou de ter valor para o povo cristão. Esse tema foi discutido no concílio de Jerusalém conforme Atos 15.

Hoje o rito de iniciação ao cristianismo é o batismo por imersão, conforma a bíblia ensina. A circuncisão era a condição para as pessoas e famílias serem aceitas na família israelita. Ver Levítico 12:3. Hoje necessitamos de ter os corações circuncidados. Romanos 2:28-29. Hoje é através do batismo que a pessoa é aceita no reino de Deus. Quanto à consagração de bebês, as igrejas evangélicas e protestantes tem seguido esta boa tradição do judaísmo, pois não realizamos batismos de bebês. Em Êxodo 13 menciona que todos os primogênitos deviam ser consagrados ao Senhor. José e Maria foram fiéis às duas ordenanças como as demais. Estas duas ordenanças não são mais necessárias nos dias atuais. Hoje fazemos dedicação de todas as crianças e não apenas de meninos e primogênitos.

Algumas igrejas cristãs têm dito que o batismo de bebês substituiu a circuncisão. A Bíblia é bastante clara sobre o que é o batismo, a quem se destina e o seu alcance. Na Bíblia, somente crentes que já colocaram sua fé em Cristo foram batizados, como testemunho público de sua fé e identificação com Ele. Ver Atos 2:38 e Romanos 6:3-4. O batismo nas águas, por imersão, é um passo de obediência após a fé em Cristo. É uma proclamação de fé em Cristo, uma afirmação de submissão à Ele e uma identificação com Sua morte, sepultamento e ressurreição. Com isto em vista, o batismo de bebês não é uma prática bíblica. Um bebê não pode colocar sua fé em Cristo. Um bebê não pode tomar uma decisão consciente em obedecer a Cristo. Um bebê não consegue compreender o que o batismo nas águas simboliza. Dentro da nossa realidade, somos obedientes à Palavra de Deus como Maria e José? Ver Lucas 2:21-24

SEGUNDA-FEIRA (7 de abril) FESTAS JUDAICAS – Os judeus tinham vários dias de festa. Eis a seguir os sete sábados cerimoniais e seus respectivos dias de celebração que Paulo faz referência em Colossenses: “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados, que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” Colossenses 2:16-17. 1.º Sábado Cerimonial – Páscoa – 14.º dia do primeiro mês. 2.º Sábado Cerimonial – Festa dos Pães Asmos – 21.º dia do primeiro mês. 3.º Sábado Cerimonial – Festa das Primícias – 6.º dia do terceiro mês. 4.º Sábado Cerimonial – Festa das Trombetas – 1.º dia do sétimo mês. 5.º Sábado Cerimonial – Dia da Expiação – 10.º dia do sétimo mês. 6.º Sábado Cerimonial – Festa dos Tabernáculos – 15.º dia do sétimo mês 7.º Sábado Cerimonial – Festa dos Tabernáculos – 22.º dia do sétimo mês. Em Levítico capítulos 16 e 23, e Números capítulos 28 e 29, estão enumerados estes dias de festa para os israelitas. Cada um desses dias festivos constituía uma santa convocação e era um dia de descanso, palavra que no hebraico é a mesma de sábado “Shabbat.” Contudo, eram dias móveis dentro da semana. Estes feriados eram os sábados de descanso, mas que podiam cair em qualquer dia da semana. E quando coincidia de cair em um dia de sábado semanal, era chamado de sábado grande, por comemorar o sábado da festa e o semanal do mandamento. Os judeus tinham outras festas também; como o Purim, que comemorava a salvação do povo judeu da destruição planejada pelo perverso Haman. Jesus observava as festas dos judeus. Durante a Sua vida, Ele ia às festas dos judeus, pois Ele mesmo era judeu. Há o relato de João 5:1 que diz: “Depois disto havia uma festa entre os judeus, e Jesus subiu a Jerusalém.” João 5:1. Quando Jesus tinha 12 anos esteve em Jerusalém para as festas. Os judeus, até hoje comemoram as antigas festas. É claro que depois da morte de Jesus as festas cerimoniais perderam a validade para os cristãos. Os cristãos estão na sintonia de Cristo e não dos judeus.
TERÇA-FEIRA ( 8 de abril) JESUS NO TEMPLO – O que aconteceu durante a infância de Jesus? Além de Lucas 2:41-52 , a Bíblia não nos diz nada sobre a juventude de Jesus. No entanto, esse incidente nos ensina algumas coisas sobre a Sua infância. Primeiro, Ele era filho de pais muito devotos a seus rituais religiosos. Como exigido pela sua fé, José e Maria faziam a sua peregrinação anual a Jerusalém para a festa da Páscoa. Além disso, eles trouxeram seu filho de 12 anos para comemorar a Sua primeira festa em preparação ao Seu “bar mitzvá” aos 13 anos, quando os meninos judeus comemoravam a sua passagem à idade adulta. Aqui vemos um típico menino de uma família típica daquela época. Vemos também nessa história que a permanência de Jesus no templo não era, nem maliciosa nem desobediente, mas um resultado natural de saber que tinha a tarefa de cuidar dos interesses do Pai. O fato de que Ele estava surpreendendo os professores do templo com a Sua sabedoria e conhecimento fala de Suas habilidades extraordinárias, enquanto que Sua escuta e perguntas aos anciãos mostram que era absolutamente respeitoso, assumindo o papel de um estudante, assim como era apropriado para uma criança da Sua idade. Desta ocasião atá o Seu batismo, aos 30 anos, tudo o que sabemos da juventude de Jesus foi que Ele deixou Jerusalém e voltou para Nazaré com Seus pais e “era-lhes obediente” Lucas 2:51. Ele cumpriu o Seu dever para com os Seus pais terrenos em submissão ao quinto mandamento, uma parte essencial da perfeita obediência à lei de Moisés que Jesus executou em nosso favor. Além disso, sabemos apenas que “Jesus ia crescendo em sabedoria, estatura e graça diante de Deus e dos homens”. Lucas 2:52.

QUARTA-FEIRA (9 de abril)) IMPOSTOS (MATEUS 17:24-27) – Veja o texto para hoje: “E, chegando eles a Cafarnaum, aproximaram-se de Pedro os que cobravam as dracmas, e disseram: O vosso mestre não paga as dracmas? Disse ele: Sim. E, entrando em casa, Jesus se lhe antecipou, dizendo: Que te parece, Simão? De quem cobram os reis da terra os tributos, ou o censo? Dos seus filhos, ou dos alheios? Disse-lhe Pedro: Dos alheios. Disse-lhe Jesus: Logo, estão livres os filhos. Mas, para que os não escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir, e abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o, e dá-o por mim e por ti.” Mateus 17:24-27. Aqui Jesus estava perguntando se qualquer rei cobraria impostos de seus próprios filhos. É óbvio que os reis não cobravam impostos de seus descendentes, eles ficavam isentos. Aqui Jesus colocou em causa a necessidade de pagar impostos para a manutenção do templo. Como os romanos administravam tudo; para além dos dízimos e ofertas os cidadãos judeus eram obrigados pagar impostos para usar o templo. Jesus e todos os que usavam o templo, como filhos de Deus, estariam isentos; mas assim mesmo Ele deu o exemplo, embora de uma forma desafiadora e didáctica, pois pediu para Pedro ir buscar a moeda na boca de um peixe. Jesus sempre foi obediente ao estado romano até o ponto em que as leis dos homens não entrassem em conflito com a lei de Deus, é claro! Veja este texto: “Se Jesus houvesse pago o tributo sem protestar, teria, virtualmente, reconhecido a justiça da reclamação, tendo assim negado Sua divindade. Mas ao passo que viu ser bom satisfazer à exigência, negou o direito sobre que esta se pretendia basear. Provendo o necessário para pagamento do tributo, deu Ele o testemunho de Seu caráter divino. Foi demonstrado que Ele era um com Deus e, portanto, não Se achava sob tributo, como um simples súdito do reino. “Vai ao mar”, disse Ele a Pedro, “lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir, e, abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o, e dá-o por Mim e por ti”. Mateus 17:27. Conquanto houvesse revestido Sua divindade com a humanidade, revelou, nesse milagre, a Sua glória. Era evidente ser Este Aquele que, por meio de Davi, declara: “Porque Meu é todo animal da selva, e as alimárias sobre milhares de montanhas. Conheço todas as aves dos montes; e Minhas são todas as feras do campo. Se Eu tivesse fome, não to diria, pois Meu é o mundo e a sua plenitude”. D.T.N. 305 Até que ponto conseguimos conciliar as nossas obrigações para com a causa de Deus, através dos nossos dízimos e ofertas; e para o estado com os nossos impostos?

QUINTA-FEIRA (10 de abril) APLICAÇÃO DA LEI (MATEUS 5:17-20) – Este é o texto para hoje: “Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim abrogar, mas cumprir. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei, sem que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.” Mateus 5:17-20. O texto de hoje deve ser analisado por três ângulos diferentes:
1) Jesus foi um fiel cumpridor da lei de Moisés e dos profetas. Ele respeitou a circuncisão, a lei do apedrejamento, etc.… mas Ele foi também o legislador e aperfeiçoador de algumas leis. Depois dele as coisas mudaram. No caso do divórcio, por exemplo, Jesus moralizou o tema. Ele disse que o divórcio é permitido apenas por causa da prostituição e não por incompatibilidade de personalidades. Veja as palavras de Jesus: “Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.” Mateus 19:8-9
2) O segundo ponto tem a ver com o cumprimento das coisas, a respeito de Cristo, que foram escritas nos profetas e na lei de Moisés. As leis cerimoniais tiveram o cumprimento na vida e morte de Cristo. Depois que Ele morreu, essas leis caducaram. conforme Colossenses 2.
3) O terceiro ponto tem a ver com a lei dos 10 mandamentos que continuam em vigor: “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei.” Jesus foi fantástico em encontrar o ponto de equilíbrio entre a exigência da lei e o amor. Uma das leis de Moisés dizia que para condenar alguém, isso deveria acontecer por pelo menos duas testemunhas, sugerindo que três seria melhor, pois diz “duas ou três testemunhas”. Certa vez trouxeram-lhe uma mulher prostituta apanhada em pleno adultério. Era um flagrante. Jesus usou a lei do amor e saiu vencedor. Ver João 8:1.11. Outro momento foi quando os fariseus queriam condenar Jesus porque curou no sábado. Jesus mostrou o lado amoroso da lei: “Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados.” Mateus 12:12. Veja: fazer bem e não trabalho como profissão. Jesus também obedeceu o mandamento do sábado! Só não entendo porque gente boa, de outras igrejas, usam tanto este texto fora do seu contexto !

SEXTA-FEIRA (11 de abril) ESTUDO ADICIONAL DA LIÇÃO – Jesus obedeceu todas as leis de Moisés, assim como também obedeceu a lei moral, que é os Dez Mandamentos. Como Criador precisava deixar o exemplo. Embora Jesus criticasse as regras da lei que matavam o espírito da lei, ele não só respeitava como também ensinava a lei. Assim também devemos ser. Veja estes textos: “Três vezes por ano era exigido dos judeus reunirem-se em Jerusalém para fins religiosos. Envolto na coluna de nuvem, o invisível Guia de Israel dera instruções quanto a esses cultos. Durante o cativeiro dos judeus, eles não puderam ser observados; mas ao ser o povo restabelecido em seu próprio país, recomeçara a observância dessas comemorações. Era o desígnio de Deus que esses aniversários O trouxessem à mente do povo.” D.T.N, 313
“Deus é o proprietário de todo homem, mulher e criança que vem ao mundo. Tornou-Se isso pagando o preço da redenção na cruz do calvário. Se os seres humanos caídos consentirem em se tornarem filhos e filhas de Deus em obediência voluntária, passarão a ser um com Jesus. O Salvador comprou-os dando Sua vida para pagar a pena do pecado. O mundo terá de enfrentar em breve o grande Legislador sobre Sua lei quebrantada. Só podem esperar obter perdão os que se volvem da transgressão para a obediência”. O Cuidado de Deus.” MM 1995, 285.

evangelismo.adventistas.org.pt
temasbblicos.blogspot.com.br
gotQuestions.org
fabiodeps@gmail.com
cpb.com.br

Anúncios

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ” Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.” Apocalipse 1:3

  • “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom.” 1 Tessalonicenses 5:20-21.

  • "Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
    E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento;
    E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne."
    Judas 1:21-23

%d blogueiros gostam disto: