O DIA DA EXPIAÇÃO – COMENTÁRIOS DA LIÇÃO 6 – (02 a 09/11/2013)

“E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.E vi um novo céu, e uma nova terra. Porque já o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.”
Ap 20:15; 21:1

livro-de-fogo

VERSO ÁUREO: “Quem, ó Deus, é semelhante de Ti, que perdoas a iniquidade e Te esqueces da transgressão do restante da Tua herança? O Senhor não retém a Sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia. Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniquidades e lançará os nossos pecados nas profundezas do mar”. Malaquias. 7:18 e 19.

INTRODUÇÃO – Durante esta semana vamos estudar a purificação do santuário que envolvia a eliminação total dos pecados das pessoas.

Um dia por ano, o sumo-sacerdote passava para o lugar santíssimo, ou santo dos santos, e entrava para fazer expiação; para eliminar os pecados da nação judaica do juízo de Deus, e o povo recebia o perdão. Era no 10º dia do 7º mês – Tishri. Pelo nosso calendário, estaria entre o fim de setembro ou o início de outubro. Era um dia de jejum no qual nenhum trabalho poderia ser feito como vemos em Levíticos 23:26-32: “Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao Senhor. E naquele mesmo dia nenhum trabalho fareis, porque é o dia da expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo. Também toda a alma, que naquele mesmo dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio do seu povo. Nenhum trabalho fareis; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações em todas as vossas habitações. Sábado de descanso vos será; então afligireis as vossas almas; aos nove do mês à tarde, de uma tarde a outra tarde, celebrareis o vosso sábado.”

O propósito do dia da expiação era desviar a indignação de Deus em relação as pessoas pelos seus pecados do último ano, e buscar o favor diante d’Ele. Era o dia no qual o significado do sistema expiatório alcançava seu ponto mais alto. Apesar de diariamente haver sacrifícios que eram oferecidos, ainda haviam pecados que não eram reconciliados completamente, e neste dia especial todas as pessoas buscavam Deus para serem perdoadas. E quem aparecia estando sem preparo era eliminada. Este é o símbolo do juízo que Deus faz hoje no céu. O juízo de Deus deve ser visto como um ato de amor e nunca de medo; pois toda a oportunidade para o pecador receber o perdão era-lhe oferecida.

Estudando o ritual do santuário terrestre, podemos entender o santuário celestial. Em Levítico 16:29-34 é dito que a cada ano, no décimo dia do sétimo mês, todo o povo deveria comparecer diante do santuário para que fossem purificados dos seus pecados. Nesse dia, o sumo-sacerdote entrava no lugar santíssimo, onde estava o propiciatório com a arca da aliança contendo os dez mandamentos, para fazer a purificação do santuário; era um dia de juízo, símbolo do juízo de Deus. No capítulo 7 de Daniel, após descrever as ações de poderes perseguidores do povo de Deus, Daniel descreve nos versos 9 a 13 uma cena incomum, nunca vista antes; Daniel viu uma cena de juízo, como já analisamos.

Quando Jesus foi para o céu, Ele assumiu a função de Sacerdote e ficou no lugar santo do santuário. Só depois de 1844 é que Ele passou para o lugar santíssimo para dar início ao juízo de investigação. Este juízo se dará antes da volta de Jesus, pois é mais do que justo, Deus já ter decidido, com antecedência, o destino daqueles que serão salvos, e daqueles que se perderão. A Palavra menciona: “Eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.” Apoc. 22:12. Quando Jesus retornar, tudo já estará definido. Os bodes estarão do lado esquerdo e as ovelhas do lado direito. Alguém pode dizer que Deus pode realizar o juízo num estalar de dedos, e não precisa de um julgamento de tantos anos, como sugerido desde 1844 em diante. É verdade, Deus pode! Mas, se temos as profecias bíblicas tão bem explicadas para alguma coisa serve, que é para serem estudadas, compreendidas e obedecidas. Sem contar que Deus gosta de deixar tudo explicadinho para que ninguém tenha de que O acusar.

DOMINGO (3 de novembro) A PURIFICAÇÃO ANUAL – Estes são os textos sugerido para hoje: “Assim fará expiação pelo santuário por causa das imundícias dos filhos de Israel e das suas transgressões, e de todos os seus pecados; e assim fará para a tenda da congregação que reside com eles no meio das suas imundícias.” Levítico 16:16

“Porque naquele dia se fará expiação por vós, para purificar-vos; e sereis purificados de todos os vossos pecados perante o Senhor.” Levítico 16:30.

Ao longo do ano todos os pecados eram transferidos para o santuário e no dia da expiação ou do juízo esses pecados eram apagados e retirados do santuário. O dia da expiação era o mais solene e sagrado de Israel.Neste dia todos os pecados transferidos para o santuário eram apagados para sempre. Era uma ocasião tão solene e sagrada que o seu preparo tinha início dez dias antes, conforme determinação do próprio Senhor. Ver Levítico 23:24.

Ao chegar o soleníssimo dia da expiação todos deveriam afligir a sua alma. Ver Levítico 16:31, fazendo profundo exame de consciência, a ver se porventura algum pecado não tinha sido esquecido ou deixado de ser confessar à Deus, e abandonado. O dia da expiação era o único no ano em que alguém, no caso o sumo-sacerdote podia entrar no segundo compartimento do santuário, o santo dos santos ou lugar santíssimo.

O sumo-sacerdote, representando Jesus Cristo, oficiava na ocasião vestido de linho, deixando de lado as vistosas e imponentes vestimentas que lhe eram peculiares. Tomava ele dois bodes para expiação do pecado e um carneiro para holocausto. Eram lançadas sortes sobre os dois bodes. Um dos bodes, então, representava o Senhor. O bode sobre o qual caísse a sorte pelo Senhor e que representava a Jesus era oferecido para expiação pelo pecado. Ver Levítico 16:9, como oferta pelo pecado do povo. O outro, chamado bode emissário, representava Azazel ou Satanás. O santuário era purificado, e através do bode Azazel, os pecados eram levados para o deserto. Assim aquele bode levava sobre si as transgressões deles ao deserto. Lá aquele bode morria em sofrimento de fome e sede, com ele se consumindo aqueles pecados para sempre. Desta forma, todos os pecados que haviam sido transferidos para o santuário durante todo o ano, simbolicamente, contaminando-o, eram então removidos.

SEGUNDA-FEIRA (4 de novembro) ALÉM DO PERDÃO – Qual era a principal tarefa do sumo-sacerdote no dia da expiação? O seguinte texto explica: “E o sacerdote, que for ungido, e que for sagrado, para administrar o sacerdócio, no lugar de seu pai, fará a expiação, havendo vestido as vestes de linho, as vestes santas; assim fará expiação pelo santo santuário; também fará expiação pela tenda da congregação e pelo altar; semelhantemente fará expiação pelos sacerdotes e por todo o povo da congregação. E isto vos será por estatuto perpétuo, para fazer expiação pelos filhos de Israel de todos os seus pecados, uma vez no ano. E fez Arão como o Senhor ordenara a Moisés”. Levítico 16:32-34

Como funcionava a cerimônia do perdão? Quando ocorria algum pecado, o pecador arrependido trazia um animal para morrer em seu lugar. Assim foi desde Adão e os patriarcas quando ofereciam sacrifícios. Então, transferindo o pecado para o animal, este podia ser morto, como se fosse o verdadeiro culpado. Simbolizava Jesus. O pecador ia embora perdoado de seu pecado, mas não purificado ainda. O pecador devia aguardar o dia da expiação para receber a absolvição total dos seus pecados.

Todos nós enfrentamos provações terríveis na vida, sejam elas causadas por nossos próprios pecados e erros ou pelas escolhas dos outros. Outros tipos de provações, como a morte e a perda de entes queridos, atingem-nos, independentemente das circunstâncias. Nós cremos que Jesus Cristo, através de Sua expiação, pagou pelos nossos pecados e sofrimentos, se nos arrependermos e tivermos fé nEle. Portanto, no ritual do tabernáculo; para além do perdão, estava o dia da expiação que eliminava os pecados do santuário. Hoje para além dos nossos pecados está Jesus que nos garante o poder do Seu sangue para sustentar a nossa fé e reerguer-nos sempre que dEle necessitarmos. Amém?

TERÇA-FEIRA (5 de novembro) AZAZEL – O que significa Azazel? É uma figura misteriosa, que aparece por 4 vezes na Bíblia, relacionado expressamente com o ritual do Yom Kipur, dia da expiação, quando um bode era sacrificado para o Criador e outro era ofertado a Azazel, sendo este último animal encaminhado ao deserto. Esse vocábulo aparece 4 vezes no Antigo Testamento. Todas as passagens se encontram em Levíticos 16 nos versículos 8,10 e 26. Os exegetas propõem 3 interpretações para a palavra hebraica Azazel: 1. Lugar abandonado. 2. Aquele que se afasta ou é mandado embora. 3. Caído, o espírito arrogante ou forte, em referência a Satanás ou a um seu anjo.

Veja estas instruções: “Havendo acabado de expiar o santuário, e a tenda da congregação, e o altar, então fará chegar o bode vivo.” Levítico 16:20. E continua a Palavra de Deus, em suas instruções: “E o sumo-sacerdote porá ambas as suas mãos sobre a cabeça do bode vivo que representava Azazel ou Satanás, e sobre ele confessará todas as iniquidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões, segundo todos os seus pecados; e os porá sobre a cabeça do bode, e enviá-lo-á ao deserto, pela mão dum homem designado para isso. Assim aquele bode levará sobre si todas as iniquidades deles à terra solitária; e enviará o bode ao deserto.” Levítico 16:21-22.

Este bode não mais retornava ao acampamento de Israel. Era exigido, da pessoa que o conduzia, que se lavasse e às suas vestes, com água, antes de voltar ao acampamento. Tudo isto tinha como objetivo impressionar os israelitas com a santidade de Deus e o Seu horror ao pecado. Ficava claro que eles não podiam entrar em contato com o pecado sem se poluir.

Assim como todos os sacrifícios que eram oferecidos no santuário e também o bode que representava Cristo não tinham poder, em si, para salvar o pecador, o bode Azazel também não tinha nem poder e nem participação na salvação do pecador. Uma vez que a expiação pelo pecado só ocorria através do “derramamento de sangue”. Ver Heb 9:22 e Lv 17:11, e que o bode emissário não era sacrificado, cremos que a função desse bode era simbolicamente punitiva e não envolvia redenção.

A lição de hoje ensina-nos que não podemos ter qualquer associação com o mal. Somente purificados com o sangue de Cristo é que encontramos forças para viver na presença do Senhor.Veja estes textos:

“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores”. Salmos 1:1

“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”. I João 1:7

QUARTA-FEIRA (6 de novembro) NO DIA DA EXPIAÇÃO – A ênfase do estudo de hoje está relacionada ao destino final das pessoas. No dia da expiação, do Israel passado, as pessoas que porventura tivessem pecados; eram mortas. Assim será quando Jesus deixar de fazer expiação por nossos pecados. O caso de todos estará decido; ou para a vida ou para a morte. Haverá um momento que a porta da graça vai fechar-se, e será um pouco antes da 2ª volta de Jesus. Veja estes textos: “E o templo encheu-se com a fumaça da glória de Deus e do seu poder; e ninguém podia entrar no templo, até que se consumassem as sete pragas dos sete anjos.” Apocalipse 15:8

“E disse-me: Não seles as palavras da profecia deste livro; porque próximo está o tempo. Quem é injusto, seja injusto ainda; e quem é sujo, seja sujo ainda; e quem é justo, seja justificado ainda; e quem é santo, seja santificado ainda.” Apocalipse 22:10-11

Desde 1844 Jesus entrou no lugar santíssimo do santuário celestial e está a interceder por nós, mas também está a julgar as pessoas que já morreram. E depois do fechamento da porta da graça, como vimos acima, começará a julgar os vivos. Quando Jesus voltar o caso de quem vai ser salvo e vai perder-se já deverá estar decidido. Veja estes textos de Ellen White:

“Vivemos hoje no grande dia da expiação. No cerimonial típico, enquanto o sumo-sacerdote fazia expiação por Israel, exigia-se de todos que afligissem a alma pelo arrependimento do pecado e pela humilhação, perante o Senhor, para que não acontecesse serem extirpados dentre o povo. De igual modo, todos quantos desejem seja seu nome conservado no livro da vida, devem, agora, nos poucos dias de graça que restam, afligir a alma diante de Deus, em tristeza pelo pecado e em arrependimento verdadeiro. Deve haver um exame de coração, profundo e fiel. … Há uma luta intensa diante de todos os que desejam subjugar as más tendências que insistem no predomínio. A obra de preparação é uma obra individual. Não somos salvos em grupos. A pureza e devoção de um, não suprirá a falta dessas qualidades em outro. … Cada um deve ser provado, e achado sem mancha ou ruga, ou coisa semelhante”. O Grande Conflito, 490.

“No grande dia da paga final, os mortos devem ser “julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras”. Apoc. 20:12. Então, pela virtude do sangue expiatório de Cristo, os pecados de todo o verdadeiro arrependido serão eliminados dos livros do Céu. Assim o santuário estará livre ou purificado, do registro de pecado. No tipo, esta grande obra de expiação, ou cancelamento de pecados, era representada pelas cerimônias do dia da expiação, a saber, pela purificação do santuário terrestre, a qual se realizava pela remoção dos pecados com que ele ficara contaminado, remoção efetuada pela virtude do sangue da oferta para o pecado. Assim como na expiação final os pecados dos verdadeiros arrependidos serão apagados dos registros do Céu, para não mais serem lembrados nem virem à mente, assim no serviço típico eram levados ao deserto, para sempre separados da congregação.” Patriarcas e Profetas, 358.

QUINTA-FEIRA (7 de novembro) O YOM KIPPUR PESSOAL DE ISAÍAS – A lição de hoje menciona o encontro que Isaías teve com o Senhor Deus. Essa visão está relatada no capítulo 6:1-8. Isaías passou pela purificação dos seus pecados. Esteve ele em visão diante do trono de Deus, foi tocado por Ele, foi purificado e só então teve condições de viver com e para Deus.

Quanto mais próximos de Deus estamos, mais pecadores consideramo-nos. Essa foi a experiência que Isaías teve. Isaías recebeu o chamado de Deus para profetizar em favor o povo de Israel para que se arrependesse. Mas ele necessitou primeiro passar por esta experiência, para depois tornar-se em um vaso purificado e levar a bênçãos aos outros.

“Eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo.” V 5. Isaías teve a visão do templo de Deus que está no céu. Acima dele estavam serafins; cada um deles tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, com duas cobriam os pés e com duas voavam. E proclamavam uns aos outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a terra inteira está cheia da sua glória.”

“Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros.” V.5. Isto é uma confissão de seus próprios pecados diante de um Deus Santo. É como se Isaías tivesse uma perfeita noção que se Deus não usasse de misericórdia para com ele, ele morreria pelos seus próprios pecados. Aqui está o símbolo do juízo.

“E com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniquidade foi tirada, e expiado o teu pecado.” Isaías 6:7. Aqui está o termo do tabernáculo que foi usado: “expiado”

Deus proporcionou a renovação espiritual ao Isaías para que ele pudesse tornar-se útil na missão de profeta. Somente quanto ele teve os seus pecados perdoados é que Deus o usou na missão de profeta: “Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.” Isaías 6:8.

Assim acontece conosco também; somente depois de uma renovação espiritual é que Deus pode usar-nos verdadeiramente como vasos de bênçãos para conduzirmos outros à salvação. E o simbolismo vai mais além; só seremos aceitos no reino de Deus com um coração totalmente renovado e estando totalmente purificados com o fogo que emana do próprio Senhor Deus.

Já aconteceu o Yom kippur da sua vida?

SEXTA-FEIRA (8 de novembro) – LEITURA ADICIONAL – O tema desta semana é o dia da expiação, que quer dizer; o dia anual em que o sumo-sacerdote entrava no lugar santíssimo para realizar a sua purificação. Através do bode Azazel os pecados eram, simbolicamente, levados para o deserto, e eram apagados dos registros divinos.

No dia anual da expiação, tanto o povo quanto o santuário eram purificados. Havia uma solene preparação prévia de dez dias de todo o povo para aquele dia. Tudo era posto em ordem; todo desentendimento não resolvido era acertado e toda a vida revisada. Então, na cerimônia do dia da expiação, o povo se apresentava perante Deus absolutamente livre de pecado. Antes dos serviços do dia da expiação, eram realizados os dois últimos sacrifícios diários. Nesse dia, o santuário era totalmente purificado dos pecados que o povo havia cometido durante o ano. No final da cerimônia, tanto o povo quanto o santuário estavam puros de pecado.

Tudo isso era símbolo do que ocorreria no santuário do céu. Desde que Jesus subiu ao céu, lá esteve no lugar santo. Desde 1844 para cá, ele atua no lugar santíssimo, purificando-o. Esse é o juízo investigativo ou pré-advento, em que cada nome é investigado. Se houve arrependimento, seus pecados são apagados dos registros. Se não houve arrependimento, seu nome é apagado dos registros do livro da vida, mas seus pecados permanecem registrados. Ficarão ali até o final do milênio, quando então a própria pessoa pagará pelos seus pecados. Então é que naquele santuário não vai mais haver lembrança das coisas passadas, tudo estará totalmente puro. Após o fechamento da porta da graça, isto é, concluindo-se o trabalho de purificação, o santuário do céu estará totalmente puro. As pragas cairão sobre as pessoas que não tiveram os seus pecados expiados. Os filhos de Deus, embora ainda na terra, não sofrerão as consequências das pragas.

Veja esta promessa: “Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia.Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti. Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios. Porque tu, ó Senhor, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação. Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda.” Salmos 91:6-10. Os filhos de Deus aguardarão mais alguns dias e serão levados por Jesus e os Seus anjos para o paraíso. Amém?

Teologia – http://www.gotquestions.org
Luís Carlos Fonseca em temasbblicos.blogspot.com.br
Lições adultos 2013 – http://www.cpb.com.br
Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia
fabiodeps@gmail.com

Anúncios

, , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ” Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.” Apocalipse 1:3

  • “Não desprezeis as profecias; julgai todas as coisas, retende o que é bom.” 1 Tessalonicenses 5:20-21.

  • "Conservai-vos a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.
    E apiedai-vos de alguns, usando de discernimento;
    E salvai alguns com temor, arrebatando-os do fogo, odiando até a túnica manchada da carne."
    Judas 1:21-23

%d blogueiros gostam disto: